Português viaja pela América Latina de moto durante 90 dias

 

O propósito do Viagem em Sintonia é inspirar as pessoas a viajar, por isso esse espaço está aberto aos viajantes, que sempre tem uma história pra contar e uma dica-amiga pra dar. Sinta um gostinho de aventura ao conhecer a viagem de Pedro Pinto pela América Latina. Ele vai percorrer 7 países em 90 dias!!! Vem ver os detalhes dessa jornada sobre duas rodas!

O Pedro é de Lisboa (Portugal) e, por razões profissionais, mudou-se em 2014 para Lima (Peru) e, posteriormente, para São Paulo. Foi nesse período que ele descobriu um fascínio pela América Latina. Porém, a necessidade de voltar pra casa, em dezembro do ano passado, é que despertou a iniciativa de fazer a “Jornada solo para (re)descobrir a América Latina”.

route-map
A rota da viagem do Pedro passa pelas trilhas dos Guaranis, Mapuches e Incas.

Pedro começou essa jornada no dia 30 de março, em Montevideo no Uruguai, e já percorreu algumas cidades do País, como La Paloma, Cabo Polonio, Villa Serrana e Colonia Del Sacramento. Nessa primeira etapa do roteiro, o destino foi Ushuaia, na Patagônia Argentina, onde ele está agora. “Foram muitas horas dirigindo para chegar rapidamente em Ushuaia. Estou cansado, mas muito feliz”, conta Pedro.

A partir daí, ele vai desacelerar o ritmo da viagem para contornar o continente pela região banhada pelo mar Atlântico, até cair na costa do Pacífico. E é aí que começa a subida, passando por Chile, Bolívia, Peru, Equador até finalmente rodar em terras Colombianas – mais precisamente, em Cartagena, o marco final dessa trajetória. Serão 20 mil quilômetros de estrada! Ele vai entrar pro time dos #borntobewild. 

É pra deixar qualquer aventureiro com aquela coceirinha! Agora, matem a curiosidade com o próprio Pedro:  

VS – Como surgiu a ideia de fazer uma viagem de moto pela América Latina?

Pedro – A ideia surgiu quando assisti ao filme Diários de Motocicleta, em 20014, mas nunca levei isso muito a sério. Quando fui morar em Lima (Peru) por razões profissionais, em 2014, essa ideia voltou e começou a tomar forma. Em dezembro de 2015 decidi avançar de vez!

VS – Por que a América Latina e não a Europa, já que você é português?

Pedro – Em primeiro lugar pela dimensão do desafio. Hoje em dia, a Europa não oferece o mesmo nível de aventura que a América Latina. Em segundo lugar, a paisagem natural, totalmente inóspita em determinadas regiões, que também foi um atrativo. Por fim, o choque cultural entre Europa e os povos latinos, o que irá seguramente tornar esta odisseia mais interessante.

VS – O que te fascina na América Latina?

Pedro – O maior fascínio que tenho pela América Latina é forma genuína e alegre de encarar a vida e a simplicidade para contornar as dificuldades, que o povo tem.

Pepe_face_efeito

VS – Viajar sozinho foi uma escolha?

Pedro – Foi uma necessidade. As janelas de oportunidades, que precisam estar alinhadas, nos quesitos afetivo, financeiro e profissional, são muito raras. Se esperasse por companhia poderia hipotecar a minha própria viagem.

VS – Quanto você irá gastar, em média, para fazer essa viagem?

Pedro – Minha estimativa é gastar cerca de 75 dólares por dia, com alimentação, alojamento e combustível.

VS – Como você vai se manter financeiramente?

Pedro – Felizmente tive o apoio de duas empresas em Portugal especializadas em equipamentos e acessórios para motociclistas profissionais. Uma me apoiou com as malas laterais, o saco estanque, capacete, vestuário, além de disponibilizar a sua rede de contatos nas suas diversas sucursais no Uruguai, Argentina, Chile, Peru e Colômbia. Já a outra empresa disponibilizou o casaco e as calças, que acabaram de ser lançadas no mercado europeu., que acabaram de ser lançadas no mercado europeu.

Pepe_face2

VS – O que você vai levar na mochila? E o que já foi enviado de barco?

Pedro – Na mochila vou levar: um capacete; fato de proteção; eletrônicos (como, laptop, câmara fotográfica e power bank); equipamentos para navegação (digital e em papel); roupa para o dia a dia; medicamentos e kit de primeiros socorros. No barco foram: uma moto, peças de substituição, roupa técnica, barraca para acampamento; jerry-can para gasolina extra e kits de reparação da moto.

VS – Quais são as possibilidades de imprevistos e como você pretende se preparar?

Pedro – As possibilidades de imprevisto são imensas! Para ser uma aventura tem de haver risco, senão seria apenas um passeio de rotinaPosso ter problemas com a moto, o vestuário, os equipamentos eletrônicos de navegação, o financeiro… Posso levar vários cartões de crédito, uma barraca e peças para a transmissão da moto, mas não consigo levar pneus, por exemplo. A moto não permite levar solução para tudo, por isso tive de decidir o que levar. Procurei não levar as peças que poderia comprar no caminho e, nesse sentido, tenho de confiar e acreditar que sempre haverá solução local.

VS – O que você espera dessa viagem?

Pedro – Conhecer muita gente legal, descobrir lugares com beleza indescritível e terminar a viagem sendo uma pessoa melhor do que aquela que começou.

VS – Qual é o propósito dessa viagem na sua vida?

Pedro – Aprender a viver com a incerteza e superar meus limites e preconceitos.

Pepe_Face

VS – Gostaria de deixar uma mensagem para pessoas que sonham em fazer uma viagem como essa?

Pedro – O melhor conselho que posso dar é: vá em frente! No final, a experiência sempre vale a pena!

Ps. Quer mais um motivo pra se inspirar? Sigam o Pedro no Spotify {pedrogpinto} e curtam o som que dá ritmo a essa aventura sobre duas rodas!

Ps1. Continue acompanhando a “Jornada de (re)descoberta da América Latina” no Facebook, no Instagram e através do blog Adventure Sillage.

 

 

The following two tabs change content below.
Keila Marques
Curiosa e interessada, é movida pelas descobertas de diferentes estilos de vida, culturas, costumes, histórias e sabores! Já fez intercâmbio no Chile e na Austrália e sonha em fazer uma viagem de volta ao mundo!
Keila Marques

Latest posts by Keila Marques (see all)